PRODUTOS
Outros Produtos SAPEC
Visualizar Ficha Técnica CLP
Ficha de Segurança CLP
Tabela de Compatibilidades

LMR
Consultório Online
Mais informação
PRODUTOS



O ZAGAIA está indicado para o controlo de infestantes gramíneas (anuais e perenes) e dicotiledóneas em Vinha, Citrinos, Olival e Zonas não cultivadas.

Tipo de Produto: Herbicidas
Formulação: Grânulos dispersíveis em água (WG) contendo 250 g/kg ou 25% (p/p) de flazassulfurão
Família Química: Sulfonilureia
Número APV/AV: AV 1042

Embalagens:
. 100 g
. 500 g

ATENÇÃO

A consulta do site não dispensa a leitura atenta do rótulo

Época e condições de aplicação

problema dose/conc. observações
LARANJEIRA
Infestantes gramíneas, dicotiledóneas e ciperáceas
60-200g/ha

Aplicar em pré-emergência ou pós-emergência precoce das infestantes (até um máximo de 4 folhas), de abril a agosto. Pulverização dirigida ao solo. Aplicação em bandas, ocupando 1/3 do terreno.
Aplicar na linha de plantação. Não ultrapassar a dose máxima de 67 g/ha de área total por ano.

LIMOEIRO
Infestantes gramíneas, dicotiledóneas e ciperáceas
60-200g/ha

Aplicar em pré-emergência ou pós-emergência precoce das infestantes (até um máximo de 4 folhas), de abril a agosto. Pulverização dirigida ao solo. Aplicação em bandas, ocupando 1/3 do terreno.
Aplicar na linha de plantação. Não ultrapassar a dose máxima de 67 g/ha de área total por ano.

OLIVEIRA
Infestantes gramíneas, dicotiledóneas e ciperáceas
60-200g/ha

Aplicar em pré-emergência ou pós-emergência precoce das infestantes (até um máximo de 4 folhas), na Primavera. Pulverização dirigida ao solo. Aplicação em bandas, ocupando 1/3 do terreno.
Aplicar na linha de plantação. Não ultrapassar a dose máxima de 67 g/ha de área total por ano.

OLIVEIRA
Infestantes gramíneas, dicotiledóneas e ciperáceas
60-100g/ha

Aplicar em pré-emergência ou pós-emergência precoce das infestantes (até um máximo de 4 folhas), no Outono. Pulverização dirigida ao solo. Aplicação em bandas, ocupando 1/3 do terreno.
Aplicar na linha de plantação. Não ultrapassar a dose máxima de 33 g/ha de área total por ano.

VIDEIRA
Infestantes gramíneas, dicotiledóneas e ciperáceas
60-200g/ha

Aplicar em pré-emergência ou pós-emergência precoce das infestantes (até um máximo de 4 folhas), do fim do inverno (fevereiro) ao início da primavera (abril). Pulverização dirigida ao solo. Aplicação em bandas, ocupando 1/3 do terreno.
Aplicar na linha de plantação. Não ultrapassar a dose máxima de 67 g/ha de área total por ano.

ZONA NÃO CULTIVADA
Infestantes gramíneas, dicotiledóneas e ciperáceas
60-200g/ha

(estradas, auto-estradas, caminhos de ferro e zonas industriais)
Aplicar em pré-emergência ou pós-emergência precoce das infestantes (até um máximo de 4 folhas). Pulverização dirigida ao solo. Aplicação em bandas, ocupando 1/3 do terreno.
Aplicar na linha de plantação. Não ultrapassar a dose máxima de 67 g/ha de área total por ano.


Infestantes Susceptíveis

Pós-emergência:
Bredos (Amaranthus blitoides), bredos (Amaranthus retroflexus), erva-vaqueira (Calendula arvensis), margaça-de-inverno (Chamaemelum fuscatum),  margaça (Chamaemelum mixtum), catassol (Chenopodium album), avoadinha (Conyza canadensis), grizanda (Diplotaxis erucoides), relógios (Erodium spp.), bico-de-pomba (Geranium dissectum), azevém (Lolium multiflorum), malvas (Malva spp.), carrapiço (Medicago polymorpha), sempre-noivas (Polygonum spp.), beldroega (Portulaca oleracea),  saramago (Raphanus raphanistrum), tasneirinha (Senecio vulgaris), morugem (Stellaria media),  urtigas (Urtica spp.),  junça (Cyperus rotundus).

Pré-emergência:
Bredos (Amaranthus blitoides), bredos (Amaranthus retroflexus), catassol (Chenopodium album), grizandra (Diplotaxis erucoides), avoadinha (Conyza canadensis), milhã-pé-de-galo (Echinochloa crus-galli), bico-de-pomba (Geranium dissectum), azevém (Lolium multiflorum), malvas (Malva spp.), tasneirinha (Senecio vulgaris), cabelo-de-cão (Poa annua), raspa-saias (Setaria spp.).

Modo de Aplicação

Calibrar correctamente o equipamento, para o volume de calda gasto por ha, de acordo com o débito do pulverizador (L/min), da velocidade e largura de trabalho (distância entrelinhas) com especial cuidado na uniformidade da distribuição da calda. A quantidade de produto e o volume de calda devem ser adequados à área de aplicação, respeitando as concentrações/doses indicadas. Para diminuir o risco de arrastamento evitar pressões superiores a 2 kg/cm2 e/ou usar bicos anti-arrastamento.
Volume de calda a utilizar: 200-400 L/ha.

Modo de Preparação

No recipiente onde se prepara a calda, deitar metade da água necessária. Juntar a quantidade de produto a utilizar e completar o volume de água, agitando sempre.
Evitar deixar a calda em repouso.

Intervalo de Segurança

45 dias em Oliveira, em aplicações no Outono.

Precauções Biológicas

As doses mais elevadas terão acção mais prolongada no tempo.
Para uma melhor gestão da estratégia de aparecimento de resistências:
. Alternar ou misturar o flazassulfurão com herbicidas de outras famílias químicas.
. Monitorizar o campo regularmente.
. Seguir sempre as indicações do rótulo (respeitar sobretudo a dose de aplicação).
. Integrar métodos químicos e agronómicos.
. Sempre que possível integrar diferentes estratégias.

Precauções toxicológicas, ecotoxicológicas e ambientais

H410 – Muito tóxico para os organismos aquáticos com efeitos duradouros.
EUH210 – Ficha de segurança fornecida a pedido
P261 – Evitar respirar as poeiras.
P262 – Não pode entrar em contacto com os olhos, a pele ou a roupa.
P270 – Não comer, beber ou fumar durante a utilização deste produto.
P391 – Recolher o produto derramado.
P501a – Eliminar o conteúdo e a embalagem em local adequado à recolha de resíduos perigosos.
SP1 - Não contaminar a água com este produto ou com a sua embalagem.
SPe2 – Para protecção das águas subterrâneas, não aplicar este produto em mais de 30% da superfície da parcela em oliveira, citrinos e zonas não cultivadas.
SPe2 – Para protecção dos organismos aquáticos, não aplicar este produto em mais de 50% da superfície da parcela em vinha.
SPe2 – Para protecção das águas subterrâneas, não aplicar este produto em mais de 50% da superfície da parcela em vinha.
SPe2 – Para protecção dos organismos aquáticos, não aplicar este produto em mais de 30% da superfície da parcela em oliveira, citrinos e zonas não cultivadas.
SPe3 – Para protecção dos organismos aquáticos, respeitar uma zona não pulverizada de 5 metros em relação às águas de superfície, em zonas não cultivadas.
SPe3 – Para protecção das plantas não visadas, respeitar uma zona não pulverizada de 5 metros em relação às zonas não cultivadas.
SPe3PT3 – Para protecção dos organismos aquáticos, respeitar uma zona não pulverizada de 20 metros em relação às águas de superfície, incluindo 20 metros de coberto vegetal, em oliveira e vinha.
SPe3PT3 – Para protecção dos organismos aquáticos, respeitar uma zona não pulverizada de 5 metros em relação às águas de superfície, incluindo 5 metros de coberto vegetal, em citrinos.
SPoPT2 – Na entrada dos trabalhadores às zonas tratadas para actividade de acompanhamento das culturas (até 2 horas por dia) estes deverão usar: camisa de mangas compridas, calças, meias e botas.
SPoPT4 – O aplicador deverá usar: luvas de protecção e vestuário de protecção durante a preparação da calda, aplicação do produto e manutenção do material de aplicação.
SPoPT5 – Impedir o acesso de trabalhadores e pessoas estranhas ao tratamento às zonas tratadas até à secagem do pulverizado.
Não são permitidas aplicações com pulverizador de dorso.
SPoPT6 – Após o tratamento lavar bem o material de protecção, tendo o cuidado especial em lavar as luvas por dentro.
SPPT1 - A embalagem vazia deverá ser lavada três vezes, fechada, sendo completamente esgotada, inutilizada e colocada em sacos de recolha devendo estes serem entregues num centro de recepção autorizado Valorfito; as águas de lavagem deverão ser usadas na preparação da calda.

Em caso de intoxicação contacte o Centro de Informação Antivenenos (CIAV), telefone nº 800 250 250

Marca Registada

SAPEC Agro, S.A.

Nota

Os resultados da aplicação deste produto são susceptíveis de variar pela acção de factores que estão fora do nosso domínio, pelo que apenas nos responsabilizamos pelas características previstas na Lei.